quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A Bênção da Humildade


     Olá! Hoje li este artigo, que vi no site da Chamada da Meia Noite. Confesso que fui confrontada e tive que parar p'ra orar, me analisar, pensar sobre minhas motivações hoje. É bom confessarmos ao Senhor e também aos outros nossas falhas. Quantas vezes estou pronta para dar alguma resposta orgulhosa, que fira meu irmão! Quantas vezes amo mais a minha própria vontade, o meu próprio ego do que ao Senhor! Deus, ajuda-me a olhar primeiro para o outro, querer o bem primeiro do outro! É através do relacionamento íntimo com Deus que conseguimos isso. Não há outro meio. Só estando em comunhão com Ele. Bom, este texto acrescentou e relembrou o que o Senhor já vem me chamando a atenção nestes tempo. Foi bênção p'ra mim, espero que seja bênção p'ra você também! Aí esta:


A Bênção da Humildade

A revista alemã "Focus" publicou uma reportagem sobre o tema "Eu, eu, eu". Ela tratava do culto ao eu – que aumenta cada vez mais em meio à nossa população – no qual cada um se considera cada vez mais importante. Cresce a sociedade que quer levar vantagem em tudo, que não recua diante de nenhum meio para alcançar seus objetivos. É indiferente se outros têm de sofrer com isso – o que importa é que se consiga o primeiro lugar. Um dos lemas em curso entre a juventude é: "Eu sou mais eu".
Também esta é mais uma prova de que a Palavra de Deus é confiável, pois ela diz o seguinte acerca dos "últimos dias": "E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos" (Mt 24.12). Quem não cuida e não vigia, torna-se cada vez mais egoísta e nem o nota, mesmo sendo cristão. O egocentrismo, o culto ao eu se infiltra onde a Palavra de Deus é deixada de lado – e com isso é deixado de lado o relacionamento íntimo com Jesus Cristo. David H. Stern traduz essa passagem muito acertadamente da seguinte maneira: "O amor de muitas pessoas esfriará porque a Torá se afasta cada vez mais delas" (Novo Testamento judaico). Não se convive mais com a Sagrada Escritura. Mas é só através do contato com a Palavra de Deus, através do amor do Espírito Santo e da comunhão com Jesus Cristo que adquirimos a capacidade de sermos humildes.
Satanás abandonou a Palavra de Deus por seu orgulho sem limites – e caiu. Igualmente cristãos que não mais são dirigidos pela Palavra de Deus e pelo Seu Espírito Santo se tornam vítimas do orgulho. Tornam-se ambiciosos e se acham cada vez mais importantes – e a causa de Jesus é empurrada para segundo plano.
No Evangelho de Lucas um acontecimento nos mostra como o orgulho se manifesta e quais as suas conseqüências: "Reparando como os convidados escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhe uma parábola: Quando por alguém fores convidado para um casamento, não procures o primeiro lugar; para não suceder que, havendo um convidado mais digno do que tu, vindo aquele que te convidou e também a ele, e te diga: Dá o lugar a este. Então irás, envergonhado, ocupar o último lugar. Pelo contrário, quando fores convidado, vai tomar o último lugar; para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, senta-te mais para cima. Ser-te-á isto uma honra diante de todos os mais convivas. Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado" (Lc 14.7-11).

O Senhor nota quando somos orgulhosos

"Reparando como os convidados escolhiam os primeiros lugares..." O orgulho é uma coisa que nós, como filhos de Deus, não gostamos de expor publicamente, pois sabemos que é constrangedor quando é notado.
O orgulho começa no coração. O orgulho é algo sorrateiro, que entra devagarinho em nosso coração, mudando nossa motivação e mudando a base de nosso querer e de nosso agir. Em geral não usamos de violência para chegar mais à frente. Tudo começa muito sutilmente, nos insinuamos com cuidado. Fazemos um jogo duplo com outros, colocando o olho nos melhores lugares.
O Senhor olha diretamente para dentro do coração e fala: "A soberba do teu coração te enganou..." (Ob 1.3).
Não creio que as pessoas da nossa história foram derrubando cadeiras e mesas para chegarem à frente e alcançarem os melhores lugares. Provavelmente eles foram cuidadosos e educados, mas agiram com um alvo em vista, que era o de ocupar o lugar de honra. Mas o Senhor o notou! Pensemos nisso: o primeiro que descobre orgulho em nossa vida é o Senhor – e Sua reação não se fará esperar. Ele olha diretamente para dentro do coração e fala: "A soberba do teu coração te enganou..." (Ob 1.3).

Orgulho não é coisa pequena

Poderia-se dizer que o que aconteceu aqui é uma bagatela da qual nem vale a pena falar. Tentar conseguir o melhor lugar em uma mesa não é muito bonito, mas também não é tão trágico assim; certamente existe orgulho pior. Mas o fato de Jesus ter notado o acontecido e de ter comentado a respeito mostra claramente como o orgulho é terrível aos olhos de Deus. Por quê?
1- Porque o orgulho procede de um cristianismo sem cruz
Em Filipenses 2.5-8 encontramos um padrão para nossa mentalidade e para nossas intenções: "Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz." Sua humilhação consistiu em não exigir o que era direito Seu. Ao invés de insistir em Sua semelhança com Deus, Ele humilhou-se a Si mesmo. Ele, diante de cuja palavra o Universo se abala; Ele, que é adorado e exaltado por todos os anjos criados; Ele, que não é criatura mas o próprio Criador – Ele se humilhou, sim, "tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz." Essa mentalidade que Jesus Cristo possuía é esperada de nós também. E quem não tem essa mentalidade não vive com a cruz e com o Crucificado, mas é contrário à cruz de Cristo. Uma pessoa assim, no fundo, é inimiga da cruz de Cristo por continuar sendo orgulhosa.
2- Porque o orgulho tem sua origem nas mais terríveis profundezas, ou seja, no próprio diabo
Satanás queria ser como Deus:"...subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo".
Nele nasceu o orgulho: "Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades no Norte" (Is 14.13).Satanás queria ser como Deus: "...subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo" (v. 14). Por isso o orgulho é tão terrível diante dos olhos de Deus e é condenado por Deus desde sua menor raiz.
3- Porque o orgulho provém da falta de temor de Deus
Em Provérbios 8.13 está escrito: "O temor do Senhor consiste em aborrecer o mal; a soberba, a arrogância, o mau caminho, e a boca perversa, eu os aborreço." O resultado da falta de temor de Deus sempre é o desprezo do nosso próximo, com uma valorização acentuada de si mesmo. (grifo meu - Thaís) Assim, os fariseus e escribas daquela época escolheram para si os melhores lugares à mesa. Onde os outros iriam sentar era indiferente para eles.
Hoje igualmente a falta de temor de Deus cresce ao ponto de chegar a um ódio pelos outros. Pessoas orgulhosas têm dificuldades em se relacionar com os outros e estão sempre prontas para brigar.(Quantas vezes sou assim! Oh, Deeeus! Grifo meu - Thaís) Pois o orgulhoso tenta alcançar seus próprios alvos mesmo às custas da união. Por isso somos exortados tão seriamente: "Nada façais por partidarismo, ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo" (Fp 2.3).
4- Porque o orgulho sempre traz consigo a queda
Provérbios 16.18 diz: "A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda." A Bíblia Viva diz: "A desgraça está um passo depois do orgulho; logo depois da vaidade vem a queda." Isso combina exatamente com o que o Senhor Jesus diz em Lucas 14.8-9: "Quando por alguém fores convidado para um casamento, não procures o primeiro lugar; para não suceder que, havendo um convidado mais digno do que tu, vindo aquele que te convidou e também a ele, te diga: Dá o lugar a este. Então irás, envergonhado, ocupar o último lugar."Na prática, o orgulho não nos leva a sermos mais reconhecidos e importantes no Reino de Deus, mas acontece exatamente o contrário: quando somos orgulhosos, somos cada vez menos importantes para o Reino de Deus, até ao ponto de sermos totalmente desqualificados. (grifo meu - Thaís)
Quem se considera muito importante como candidato a obreiro no Reino de Deus, facilmente pode ser degradado ao patamar de um jumento, o que pode ser ilustrado com muito acerto com o seguinte episódio: certa vez um seminarista, muito convencido e cheio de si, falou a um servo de Deus: "Deus precisa de mim. Quero servi-lO." O servo de Deus respondeu: "Jesus só falou uma vez que precisava de alguém – e esse alguém era um jumento" (comp. Mc 11.3).
Quem se considera muito importante como candidato a obreiro no Reino de Deus, facilmente pode ser degradado ao patamar de um jumento.
Muitas vezes o orgulho não produz uma ampliação nos horizontes, uma expansão no ministério para o Senhor, como os orgulhosos muitas vezes pensam e querem, mas exatamente o contrário: eles se tornam imprestáveis para o serviço cristão e se tornam pequenos no Reino de Deus. A Bíblia diz em 2 Coríntios 10.18:"Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, e, sim, aquele a quem o Senhor louva."
Por Jesus ter se humilhado tanto na cruz,"...Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome" (Fp 2.9). E exatamente este mesmo princípio Jesus reafirmou em Lucas 14.11: "Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado."
5- Porque a humilhação vem, muitas vezes, por meio de outras pessoas
É disso que o Senhor fala em Lucas 14.8b-9: "...para não suceder que, havendo um convidado mais digno do que tu, vindo aquele que te convidou e também a ele, te diga: Dá o lugar a este. Então irás, envergonhado, ocupar o último lugar." Mesmo que o orgulho esteja relativamente escondido e se manifeste em segredo, um dia ele aparece e a humilhação se torna do conhecimento de todos. Meio que sorrateiramente, sem chamar muita atenção, alguns convidados se assentaram nos melhores lugares. Mas quando o anfitrião mandou que eles tomassem os lugares inferiores, todos ficaram sabendo.
É curioso observar que as pessoas orgulhosas são, muitas vezes, humilhadas exatamente por aquelas pessoas que elas queriam adular e agradar. No reino de Assuero, por exemplo, um certo Hamã gozava de todos os privilégios possíveis concedidos pelo rei (Et 3.1). Mas tão logo, através de Ester, sua esposa judia, Assuero ficou sabendo dos planos e das intenções orgulhosas de Hamã (ele queria enforcar o judeu Mardoqueu, por não o bajular, e queria mandar matar todos os judeus em um dia pré-determinado), iniciou-se a queda de Hamã de uma maneira que ninguém conseguiria deter: Hamã acabou enforcado juntamente com seus filhos (Et 7.10; 9.25).
6- Porque o orgulho produz insegurança
Muitas vezes as pessoas que têm uma tendência ao orgulho se mostram muito seguras de si, mas, na verdade, elas são movidas por uma estranha insegurança. Elas não estão firmes, não sabem qual o melhor caminho para si e não são confiáveis nas coisas espirituais. E isso acontece porque elas estão em um falso caminho, e porque no fundo de seu coração sabem que podem cair de onde se encontram: "Pois todo o que se exalta será humilhado..."
7- Porque só as pessoas humildes são íntimas do Senhor
Lucas 14.10 diz: "Pelo contrário, quando fores convidado, vai tomar o último lugar; para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, senta-te mais para cima. Ser-te-á isto uma honra diante de todos os mais convivas." No início dizíamos que os orgulhosos levam uma vida que passa longe da cruz de Cristo, até contrária ao Senhor, e que os humildes, ao contrário, têm uma vida com Cristo em seu centro; essas pessoas vivem da Sua Palavra e têm a mentalidade do Senhor. Por isso, na parábola que estamos tratando, só o convidado humilde é chamado de "amigo": "Amigo, senta-te mais para cima." O Senhor não disse: "Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando"(Jo 15.14)?!
Só os humildes têm suas fronteiras ampliadas, só os humildes são exaltados. Por quê? Porque eles têm a mesma mentalidade que o seu Mestre. Ele disse: "Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado" (Lc 14.11).

O caminho para a verdadeira humildade

Agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro em meu coração está a tua lei.
Só através de muita oração, e não através do simples pedido: "Senhor, humilha-me!" é que chegamos à humildade; somente através de uma decisão consciente de nossa vontade, que se transforma em ação, é que chegamos à humildade verdadeira. Jesus Cristo humilhou-se a si mesmo, pois a Bíblia diz: "...a si mesmo se humilhou" (Fl 2.8). Ele disse: "...agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro em meu coração está a tua lei" (Sl 40.8).
Na nossa parábola, o Senhor mostra como se pratica a humildade:
– "...não procures o primeiro lugar..." (Lc 14.8);
– "...vai tomar o último lugar..." (v. 10);
– "... o que se humilha..." (v. 11).
É imprescindível assumir uma atitude como João Batista teve, quando disse, olhando para Jesus: "Convém que ele cresça e que eu diminua" (Jo 3.30). É por isso que João Batista era tão grande aos olhos de Deus. O Senhor testemunhou acerca dele: "Entre os nascidos de mulher, ninguém é maior do que João" (Lc 7.28). Por isso é tão necessário eleger diariamente o caminho da humildade e ficar nele: "Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte" (1 Pe 5.6). Amém. (Norbert Lieth - http://www.chamada.com.br)
Norbert Lieth É Diretor da Chamada da Meia-Noite Internacional. Suas mensagens têm como tema central a Palavra Profética. Logo após sua conversão, estudou em nossa Escola Bíblica e ficou no Uruguai até concluí-la. Por alguns anos trabalhou como missionário em nossa Obra na Bolívia e depois iniciou a divulgação da nossa literatura na Venezuela, onde permaneceu até 1985. Nesse ano, voltou à Suíça e é o principal preletor em nossas conferências na Europa. É autor de vários livros publicados em alemão, português e espanhol.

Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, junho de 1997.

Revista mensal que trata de vida cristã, defesa da fé, profecias, acontecimentos mundiais e muito mais. Veja como a Bíblia descreveu no passado o mundo em que vivemos hoje, e o de amanhã também. Assine aqui »

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

"Tem que ter força de vontade."

Tenho lido o blog de um assistente social, Marcelo Jaccoud e apreciado muito. Gostaria de compartilhar com vocês alguns dos posts, porque tem me acrescentado bastante.
Aí está um texto dele:

"Tem que ter força de vontade."

Tem que ter apoio e solidariedade.

É muito comum ouvir de pessoas que moram nas ruas ou de pessoas que não moram nas ruas que para deixar as drogas ou sair das ruas tem que ter força de vontade. É verdade. Ninguém muda sua vida se não quiser. Mas não é toda a verdade. Ninguém mora na rua porque gosta. Ninguém acordou em um belo dia de sol, com tudo bem em casa e no trabalho e decidiu "hoje vou morar na rua". Se ir para as ruas sempre é consequência de algum problema - os principais: conflitos familiares, desemprego e álcool e drogas - fica claro que morar na rua não é uma questão de escolha ou de vontade. Consequentemente, também fica claro que para sair da rua não basta ter força de vontade.

Algum tempo atrás uma pessoa que morava na rua há alguns anos, usuário de drogas, me disse que reencontrou o filho de 8 anos que não via há cerca de um ano e meio. O filho, então, perguntou ao pai: "Pai, você troca as drogas para ficar mais tempo comigo?" O pai, em prantos, prometeu que sim. Começou, então, a dar um jeito de voltar a morar com os filhos. Deixou a rua e começou a construir um cômodo em um terreno de sua mãe. Conseguiu tijolos e cimento com amigos e em dois dias já havia levantado duas paredes. Foi quando me procurou para pedir ajuda com mais algum material. Marquei de encontrá-lo no dia seguinte para levar uma pessoa na sua casa que poderia dar-lhe algum material. Ele não apareceu. Mais tarde, o encontrei na rua novamente, bêbado e drogado. Insisti que voltasse para casa. Ele não tinha forças, sentia-se culpado, com vergonha. Insisti que voltasse, que não esperasse ficar ainda pior. Que seu filho e sua mãe o queriam de volta. Ele queria voltar. Então, que voltasse logo para casa. E ele, com muita coragem, voltou. Já levantou e telhou o cômodo. Em razão da precariedade de sua casa ainda não levou seu filho para morar lá, mas conseguirá fazer isso em pouco tempo.

Não sei se conheço outra pessoa que teve mais força de vontade do que ele para sair da rua depois que o filho lhe fez o pedido para que deixasse as drogas. Mesmo assim, ele caiu. E foi preciso apoio, solidariedade, alguém que o procurasse, alguém que o recebesse, alguém que se importasse, alguém que desse novo sentido a sua vida, alguém que o transformasse em um pai, em um filho e em um trabalhador e não o enxergasse como um morador de rua, para que ele encontrasse o caminho de saída das  ruas e das drogas.

Para sair das ruas é preciso ter força de vontade, apoio e solidariedade. Mas quando dizemos apenas que tem que ter força de vontade, estamos falando daquilo que o outro deve fazer. Vamos lembrar mais daquilo que nós precisamos fazer. Dar apoio e solidariedade.

"Pensem nisto, pois: Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado." Tiago 4:17

Fonte: http://www.blogdarua.com/

Alcoólicos Anônimos


A Religião dos Doze Passos

A influência do misticismo no Ocidente provém de mais longe do que muitos suspeitam, sendo anterior ao movimento das drogas e à invasão dos gurus do Oriente. Napoleão Hill(o inventor da auto-ajuda) recebeu a filosofia básica dos movimentos de sucesso/motivação de entidades espirituais, que enganosamente se apresentaram como Mestres Ascendentes, conhecidos como “A Venerável Irmandade da Índia”. Ao mesmo tempo em que Hill introduzia o ocultismo no mundo dos negócios, Agnes Sanford estava trazendo-o para a igreja. Um século antes, todavia, o ocultismo já havia estabelecido sua principal ponta-de-lança no Ocidente através da Maçonaria. Ocasionalmente, nos anos de 1930 e 40, a invasão do ocultismo foi expandida de maneira monstruosa através dos Alcoólicos Anônimos (AA).
A influência dos 12 passos do AA tem sido avassaladora. São tantos os grupos que se formaram, a partir da filosofia do AA, que dificilmente pode-se chegar a um número exato. Em seu excelente livro intitulado 12 Steps to Destruction(12 Passos para a Destruição), o qual todo cristão deveria ler, Martin e Deidre Bobgan apontam: “Milhares de grupos através da América usam os 12 passos de Wilson e a maior parte dos grupos de recuperação/codependência pratica os 12 princípios, de um modo ou de outro […] Qualquer programa de tratamento inventado atualmente combina a filosofia, psicologia e religião dos 12 passos.”
Os novos termos “vício” e “recuperação” agora estão incluídos em qualquer coisa que alguém possa imaginar. Existem inclusive bíblias de “recuperação”, como a conhecida “Serenidade Para Todo Dia”. Os Alcoólicos Anônimos produziram grupos como Crianças Adultas Alcoólicas, Devedores Anônimos, Emocionais Anônimos, Jogadores Anônimos, Narcóticos Anônimos, Glutões Anônimos, Viciados-em-Sexo Anônimos, Viciados-em-Trabalho Anônimos e até Fundamentalistas Anônimos. O Centro Dallas de Vício e Abuso Religioso vê paralelos entre as famílias que criam cristãos fundamentalistas e aquelas que produzem alcoólatras e tem como principal alvo a “recuperação” de tais crentes viciados. Obviamente, os grupos anticristãos sentem-se à vontade com um “poder superior”, o qual pode ser qualquer coisa que alguém possa escolher para confiar. Tal prática, certamente, priva os pecadores e seus familiares de conhecerem o Deus da Bíblia.
Uma Fachada Perfeita
Os grupos AA (e todos os outros com 12 passos, desenvolvidos a partir dele) abrem a porta para a introdução do ocultismo, mediante a crença num “deus” genérico.
O passo 2 diz: “Viemos a acreditar que um Poder Superior a nós mesmos poderia devolver-nos à sanidade”.
O passo 3 continua: “Decidimos entregar nossa vontade e nossa vida aos cuidados de Deus, na forma em que o [Hindu, Budista, Cristão, Mórmon, Católico, agnóstico, etc.] concebermos”. Como na Maçonaria, qualquer falso deus serve.
Satanás não é ateu. Ele sabe que Deus existe e quer ocupar o Seu lugar, sendo louvado pela humanidade. Para tal fim, ele encoraja a crença num “poder superior”, para desviar o homem do Deus verdadeiro, voltando-se para ele mesmo. Satanás sabe que todas as pessoas têm um senso de alienação de Deus e que o Espírito Santo está cortejando a humanidade para Ele mesmo. Qual maneira poderia ser melhor para Satanás evitar a reconciliação do homem com o Deus verdadeiro, através de Jesus Cristo, do que efetuar uma pseudo-reconciliação com um falso poder superior?
Bill

Este foi o caso do próprio Bill Wilson, fundador dos Alcoólicos Anônimos. Embora Wilson tenha estudado aos pés de Sam Shoemaker, um pastor episcopal de Boston, e passado um ano sob a tutela do bispo Fulton J. Sheen (a coisa mais próxima de um televangelista que a Igreja Católica produziu), ele nunca recebeu o Senhor Jesus Cristo com seu Salvador.
Uma trágica indulgência Ecumênica
Como, portanto, podemos ser tolerantes na promoção, divulgação e apoio de poderes superiores, que tomam o lugar de Deus? Dando suporte à tolerância, Stafford diz: “Cristãos [em qualquer grupo de 12 passos] podem expressar suas convicções.” Quais convicções?  A de que Jesus Cristo é O Poder Superior? Isto não é bíblico, nem permitido pelas regras dos grupos externos às igrejas, mas que funcionam dentro delas, os quais desfrutam de  total autonomia, ficando os membros das igrejas de mãos atadas, totalmente impossibilitados de pregar o evangelho em tais encontros.
Como, portanto, podemos ser tolerantes na promoção, divulgação e apoio de poderes superiores, que tomam o lugar de Deus? Dando suporte à tolerância, Stafford diz: “Cristãos [em qualquer grupo de 12 passos] podem expressar suas convicções.” Quais convicções?  A de que Jesus Cristo é O Poder Superior? Isto não é bíblico, nem permitido pelas regras dos grupos externos às igrejas, mas que funcionam dentro delas, os quais desfrutam de  total autonomia, ficando os membros das igrejas de mãos atadas, totalmente impossibilitados de pregar o evangelho em tais encontros.


Na revista Christianity Today(a revista evangélica mais conceituada do mundo), Tim Stafford colunista escreveu: “Os 12 passos são cristãos”. Entretanto, nenhum dos 12 passos faz qualquer menção a Jesus Cristo, muito menos ao evangelho. Como, então, poderiam eles ser cristãos? O próprio Stafford admite que Wilson “nunca prometeu lealdade a Cristo, nunca foi batizado e nunca foi membro de uma igreja, juntado-se a ela…” A igreja cristã, contudo, juntou-se ao AA.
A adoção de qualquer forma dos 12 passos dentro da igreja implica que Deus, a Bíblia e Jesus Cristo não oferecem solução (ou, no mínimo, uma solução adequada) para os pecados de embriaguez, ou qualquer outro “vício”, e que o AA tem preenchido, finalmente, esta lacuna deixada pela igreja, pela Bíblia e por Jesus Cristo. Em seus exaustivos estudos sobre os grupos de ajuda aos “viciados” e seus familiares, para sua tese de doutorado (PhD), G.A. Pritchard concluiu:
Um dos primeiros membros da equipe [da igreja The Willow Creek Community Church of South Barrington [tida nos Estados Unidos como a “igreja padrão” para o século XXI] com quem falei, ele, orgulhosamente, dirigiu-se a mim e me disse que mais de 500 pessoas reuniam-se na igreja toda semana em vários grupos de auto-ajuda, tais como Emocionais Anônimos, Jogadores Anônimos, Narcóticos Anônimos, Glutões Anônimos, Viciados-em-Sexo Anônimos, Viciados-em-Trabalho Anônimos, etc. Nas minhas investigações, descobri que tais programas não eram realmente da própria igreja. Embora muitos membros dela estivessem envolvidos e participando ativamente dos programas, os encontros estavam sendo dirigidos sob a égide e o absoluto controle dos princípios éticos, passos e política de organizações de fora da igreja. Um dos requerimentos indispensáveis de todas essas organizações é que as pessoas não poderiam evangelizar ou ensinar aos frequentadores sobre o Deus pregado naquela igreja.

Uma publicação oficial dos AA diz:
“os Alcoólicos Anônimos não requerem que você creia em qualquer coisa […] O AA trilha inúmeros caminhos em sua busca por fé. Se você não acredita no caminho que sugerirmos, você ficará à vontade para descobrir outro caminho qualquer que sirva e convenha a você […] Você pode, se desejar, fazer do próprio AA o seu ‘PODER SUPERIOR’”.
Não poderia ficar mais claro que qualquer falso deus se encaixa neste discurso.  Foi o psicólogo William James em seu livro The Varieties of Religious Experience (A Variedade das Experiências Religiosas) que encorajou Wilson na crença de que qualquer deus poderia funcionar em seu programa. Esta foi também a fonte da qual Wilson retirou a justificativa para uma ecumênica e mística experiência religiosa, a qual os alcoólatras devem procurar em busca da libertação das suas aflições:
[William] James deu a Bill [Wilson], de um modo aceitável a este, o material necessário para entender o que lhe acontecera. Wilson, o alcoólatra, agora tem a sua experiência espiritual ratificada por um professor de Harvard, chamado por alguns de O Pai da Psicologia Americana!
Mantendo a mesma posição tolerante de Christianity Today, de aceitação dos erros da Psicologia, através do falso evangelho do catolicismo romano, mediante o ecumenismo, Stafford escreve: “Cristãos podem usar o AA ou qualquer outro grupo de 12 passos […] não há perigo em obter ajuda onde ela está disponível”. Da Yoga? Da Meditação Transcendental? Por que não da Ciência Cristã? Por que voltar-se para qualquer programa de 12 passos, a menos que Cristo e Sua Palavra não sejam suficientes?
A questão não é se um alcoólatra recebeu ajuda. Existem testemunhos fantásticos de mudança de vidas mediante quaisquer processos, desde hipnose e psicoterapia até alegadas abduções por UFO’s (OVNI’s Objetos – Voadores Não Identificados). A trágica verdade, todavia, é que a ajuda temporal através de um “poder superior” dos AA desvia os necessitados para longe de Jesus Cristo e de Sua salvação eterna. Além do mais, o AA provê uma pequeníssima ajuda real, mesmo na luta contra o alcoolismo. Grupos de cristão bíblicos, que confiam apenas em Jesus Cristo têm resultados extraordinariamente mais favoráveis.  Por outro lado, Stafford diz ainda, engodando as pessoas: “Os 12 passos são um pacote de práticas cristãs, mas sem o menor compromisso em usá-las”.
Os Alcoólicos Anônimos e o ocultismo
Desviando-se do Deus verdadeiro, e voltando-se para os falsos deuses de qualquer espécie, o AA abre a porta às manifestações ocultistas, ao engano e à escravidão. Tal é o legado dos AA. Bill Wilson e seu amigo íntimo, Bob Smith, estavam ambos extremamente envolvidos com o ocultismo, mesmo antes de conceberem o AA e, ainda mais, depois que o AA estava plenamente estabelecido. A biografia oficial de Wilson revela, sem qualquer reserva ou constrangimento que, por anos a fio, após a fundação do AA, eram feitas sessões [espíritas] na casa de Wilson, além de outras atividades psíquicas, incluindo a consulta de Ouija board (mesa branca de consulta com letras, símbolos e números). A biografia declara:
Há referências de sessões e outros eventos psíquicos nas cartas que Wilson escreveu a Lois [esposa dele], durante aquele primeiro verão em Akron, com os Smiths [Bob e Anne], em 1935. [Veja essas citações da biografia pessoal do fundador]:
“Wilson deitava-se no sofá. Ele “obtinha” tais ensinamentos [do mundo espiritual] toda semana. A cada vez, certas pessoas [demônios personificando seres humanos mortos] poderiam “entrar e trazer longos ensinamentos, palavra por palavra…”
[Em 1938] quando Wilson começou a escrever [o manual do AA], ele clamou por direção […] As palavras começaram a pulular com velocidade espantosa. Ele completou o primeiro rascunho em meia hora […]
Numerando os novos passos, eles chegaram a 12, um número simbólico; ele pensou nos 12 apóstolos e, pouco tempo depois, estava convicto de que a Sociedade deveria ter 12 passos.
Foi através de mediunidade que Wilson recebeu o manual dos Alcoólicos Anônimos, notadamente de ensinamentos do mundo demoníaco. Não é surpresa, portanto, que o efeito do AA sobre muitos dos seus membros tem sido levá-los ao envolvimento com o ocultismo. Wilson também envolveu-se com o uso de LSD, na esperança de alcançar um elevado estado místico, com o objetivo de provar a sobrevivência do espírito após a morte. Em 1958, Wilson escreveu a Sam Shoemaker:
“Através do AA, nós recebemos um tremendo volume de fenômenos psíquicos, muitos deles espontâneos. Alcoólatras após alcoólatras têm me contado sobre tais experiências […] que cobrem uma gama enorme de tudo que vemos nos livros.”
Além da minha experiência mística original, eu mesmo tenho vivido incontáveis fenômenos psíquicos.”
Uma tolerância intolerante
Agora, chegamos ao ponto em que igrejas evangélicas estão promovendo, patrocinando, apoiando e recomendando a seus membros e pessoas de fora, programas para vencer o pecado em suas vidas, usando técnicas e um poder superior que substitui (ou, minimiza, suplementa) Deus e o poder do Espírito Santo! Stafford recomenda todos os grupos de 12 passos porque eles são “tolerantes”. Deveríamos nós recomendar tolerância sobre a identidade de Deus e a diferença entre a  Sua Verdade e a mentira de Satanás? Sobre a alegada “tolerância”, considerando as regras dos variados grupos de 12 passos implantados por grupos externos na The Willow Creek Community Church of South Barrington, considere o seguinte:
Um código oficial de instrução dos AA explica:
Os passos sugerem uma crença num Poder maior do que nós mesmos, “Deus, como O entendemos”. O programa não procura, nem muito menos tenta, nos dizer o que nosso Poder Superior deveria ser.
Ele pode ser qualquer coisa que nós escolhermos como, por exemplo, o amor humano, a força para o bem, o próprio grupo em si mesmo, a natureza, o universo, ou o Deus (Deidade) tradicional.
O código nos instrui: “Nós nunca discutimos religião”.
O conceito do AA de um poder superior é pagão. Definitivamente, é um insulto a Jesus Cristo associá-lo a tal poder, seja qual for. Cristo não é um poder, mas uma Pessoa. Stafford assevera que os cristãos não podem dizer qualquer coisa que possa “minar as propostas pluralísticas dos grupos de 12 passos, sugerindo que os outros pontos de vista sobre Deus sejam errados”. Portanto, a tal alegada “tolerância” tem seus limites e é um fato de real INTOLERÂNCIA AO EVANGELHO!
Em sua tese de doutorado sobre os variados grupos de 12 passos implantados na The Willow Creek Community Church of South Barrington, Pritchard escreve:
Mesmo cristãos da própria igreja não podem falar sobre a verdade cristã em tais encontros na Willow Creek Church. Embora nos programas profiram-se palavras, orações e ensinamentos a um “Poder Superior”, estes funcionam como ateísmo prático, ensinando variadas categorias contemporâneas e seculares de visões psico-sociológicas. Mesmo essa tamanha ausência de conteúdo teológico não impede a igreja de promover e divulgar tais programas, que funcionam durante a semana.
O fato da Willow Creek Church patrocinar e divulgar esses programas ilustra o vazio da prioridade da igreja em pregar a verdade cristã.
Fonte: Tradução e adaptação por Mário Sérgio do capítulo 15 do livro Occult Invasion (Invasão do Oculto) de Dave Hunt – solascriptura-tt.org/

terça-feira, 18 de setembro de 2012

O americano arrogante e insensível, que viaja por outros países fazendo o que quer: o tráfico sexual que humilha os Estados Unidos

Albert Mohler(AlbertMohler.com) — A revolução sexual das últimas décadas transformou qualquer conversa pública sobre sexo e sexualidade. Os revolucionários dirigiram sua atenção para a desmantelação de um edifício inteiro de moralidade sexual que estava basicamente intacto por mais de 2.000 anos.
Em determinada altura da revolução sexual, fizeram-se campanhas para legalizar a prostituição como um “crime sem vítima”, um termo que qualquer um conseguia reconhecer como uma contradição. A maioria dessas campanhas não deu em nada nos Estados Unidos e em grande parte da Europa, embora agências policiais progressistas muitas vezes fizessem vista grossa e fizessem muito pouco para coibir o mercado de sexo ilícito.

Então algo verdadeiramente interessante começou a acontecer. Forças influentes na sociedade começaram a notar a extensão e magnitude do mercado sexual. Agências policiais começaram a reconhecer o fato de que mulheres, junto com meninas e meninos menores de idade, estavam sendo traficados por meio de redes internacionais de gangsteres. No fim da década passada, autoridades americanas estavam cientes de que o tráfico sexual estava ocorrendo em grandes e pequenas cidades. Mulheres, junto com meninos e meninas, estavam sendo raptados em regiões longínquas do mundo e das ruas de cidades americanas, para serem vendidos no que pode ser considerado escravidão sexual.Com o tempo, a sombra do tráfico sexual internacional se tornou evidente em redes criminosas que abrangem o mundo inteiro. Mulheres e crianças que respondem a anúncios de modelos, empregadas domésticas e babás acabam sendo vendidas à escravidão e transportadas pelo mundo inteiro.

Americanos ricos fazem reservas, para suas férias, em destinos onde é possível comprar seres humanos facilmente, inclusive crianças, para satisfazer seu apetite sexual predileto. Em 2012, durante o campeonato de futebol americano, autoridades americanas alertaram que centenas de meninas e meninos menores de idade, que “trabalham” na prostituição, seriam trazidos para a cidade anfitriã do campeonato. Esses acontecimentos tornam impossível negar que existe uma rede internacional de tráfico sexual.

Então veio a notícia de que pelo menos onze agentes do Serviço Secreto haviam se envolvido num escândalo de prostituição em Cartagena, Colômbia, antes de uma visita ali do presidente Barack Obama. Crê-se que vários membros das forças armadas dos Estados Unidos estavam também envolvidos. Ao mesmo tempo em que o escândalo começou a explodir, os meios de comunicação internacionais noticiaram que cidades como Cartagena se tornaram imãs para o comércio sexual, com grande parte de seu negócio fornecido por americanos lascivos.

Críticos do Serviço Secreto indicaram que muitos de seus agentes adotaram um lema de “aqueça-se e esqueça que você é casado”, sugerindo planos para visitar prostitutas em sua cidade destino. Eles planejavam seu envolvimento com prostitutas muito antes de sua chegada para “adiantar” a viagem do presidente, conforme as alegações.

Como se os americanos não tivessem ficado suficientemente chocados, o jornal USA Today noticiou que o escândalo do Serviço Secreto não era “nenhuma aberração”. Kirsten Powers relatou: “Homens que trabalham no exterior para o governo dos EUA se envolvem nesse tipo de conduta tão frequentemente que o Pentágono foi forçado em 2004 a elaborar um regulamento antiprostituição para impedir as forças armadas de cumplicidade na promoção do tráfico sexual”.

Parece que o regulamento não refreou os que estavam envolvidos no escândalo de Cartagena, nem muitos outros. Powers também informou que o governo americano está, há algum tempo, ciente de que boa parte do poder do submundo internacional de tráfico sexual vem de funcionários do governo americano, tanto civis quanto militares.

Powers citou o deputado federal Christopher Smith (R-NJ), que declarou que “mulheres e crianças estão sendo forçadas à prostituição para clientes que consistem em grande parte de membros das forças armadas dos EUA, trabalhadores contratados pelo governo dos EUA e soldados internacionais das tropas de paz”.

Um relatório indica que meninas novas estão sendo raptadas da Europa Oriental “especificamente para serem vendidas para uso sexual para trabalhadores contratados pelo governo dos EUA”. Esses trabalhadores estão em outros países sob o patrocínio do governo dos EUA para estabelecerem paz e segurança…

Conforme Kirsten Powers comentou: “Representantes do governo dos EUA deveriam estar dando o exemplo para o mundo, não alimentando o problema do tráfico sexual. As chances de que as mulheres ou meninas que os agentes do Serviço Secreto obtiveram para seu prazer estavam ali por livre vontade são muito pequenas. Muito provavelmente, elas eram escravas sexuais”.

Felizmente, há muito menos falatório nestes dias sobre prostituição e tráfico sexual como um “crime sem vítima”. Poucos crimes oferecem tal perspectiva funesta acerca da realidade moral humana. Há um mercado pronto para todos os tipos de lascívia, e os sindicatos criminosos estão sempre de prontidão para vender seres humanos e produtos por um preço.

Mostrando que o problema está ocorrendo dentro dos EUA também, Nicholas Kristof, em sua reportagem do jornal The New York Times, contou o caso de uma prostituta na cidade de Nova Iorque. “Se você acha que o tráfico sexual só ocorre em lugares distantes como Nepal ou Tailândia, então você deveria dar atenção a uma jovem que é especialista no tráfico sexual dos EUA com quem conversei outro dia”, escreveu ele. “Mas, primeiro, deseje a ela feliz aniversário. Ela faz 16 anos de idade na próxima quinta-feira”.

Kristof estava falando de “Brianna”, que havia sido raptada e vendida ao comércio sexual depois de fugir de casa por apenas uma noite quando tinha 12 anos. Ele também descreveu a proeminência de grandes sites na internet de tráfico sexual, um dos quais “contém 70 por cento dos anúncios de prostituição dos EUA”. Brianna relatou que ela havia sido oferecida em tal site, estimando que metade do negócio em que ela foi vendida veio por meio do site. O que é assustador é que Kristof também informou que grandes empresas financeiras de Wall Street estão ganhando lucro com o negócio.Kirsten Powers acertou em cheio quando escreveu: “Nós temos uma epidemia global de tráfico sexual”. Só posso ficar imaginando quantos americanos compreendem que “nós” nessa declaração significa nós — o povo americano. Quando um congressista pode confessar para nós todos que mulheres e meninas estão sendo forçadas a entrar no comércio sexual para clientes “que consistem em grande parte” de autoridades do governo dos EUA e trabalhadores contratados pelo governo americano junto com as forças armadas americanas, esse problema se torna a responsabilidade de todos os americanos.

Os cristãos americanos que entendem o escândalo incompreensível e horror moral do tráfico sexual precisam reconhecer que esta é uma questão de elevada prioridade moral.

Precisamos exigir a imposição de leis criadas para proteger os seres humanos de serem vendidos para a escravidão sexual e a instauração de processo daqueles que estão envolvidos no tráfico sexual. Precisamos exigir que todos os americanos envolvidos em tais atividades sejam levados a juízo e julgados na totalidade da lei, e que todo esforço seja feito para libertar mulheres e jovens da escravidão sexual.

Nenhum americano pode descansar com uma consciência tranquila enquanto os Estados Unidos são conhecidos no mundo inteiro por enviar autoridades, empresários, funcionários do governo e membros das forças armadas cujo lema é “aqueça-se e esqueça que você é casado”.

Esse escândalo revelou que o conceito do americano arrogante e insensível, que faz o que bem quer em outros países, assumiu uma nova e humilhante dimensão.
Traduzido por Julio Severo do artigo de LifeSiteNews: The ugly American - sex trafficking and our national humiliationFonte: www.juliosevero.com

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Amor sem distinção

     Sabe uma coisa que às vezes me desanima nas nossas igrejas? Acepção de pessoas... Pensamos em ganhar muitas vidas para Cristo, mas algumas pessoas olham para a igreja apenas como um lugar para gente bonita e bem arrumada. Hoje, este texto me chamou a atenção: "Porque, se no vosso ajuntamento entrar algum homem com anel de ouro no dedo, com trajes preciosos, e entrar também algum pobre com sórdido traje, e atentardes para o que traz o traje precioso, e lhe disserdes: Assenta-te tu aqui num lugar de honra, e disserdes ao pobre: Tu, fica aí em pé, ou assenta-se abaixo do meu estrado, porventura não fizestes distinção entre vós mesmos, e não vos fizestes juízes de maus pensamentos?" (Tg 2.2-4).
     Jesus falava com que tipo de gente? Todo tipo. Quem queria ouví-lo, conseguia. Fosse um oficial, um cobrador de impostos, um jovem rico, um endemoninhado no meio do cemitério, uma mulher adúltera, uma prostituta, um fariseu, um mendigo cego, uma mulher gentia ou qualquer outra pessoa que estivesse disposta a ouví-Lo. Devemos imitá-lo, certo? Aquele que estiver aberto a ouvir sobre o Senhor, deve ouvir, sim, por meio de nós!
     Nos dias 31/08, 01/09 e 02/09 estive em Caçapava - SP, no 9º Congresso estendendo as Mãos aos Necessitados, que acontece na Comunidade Terapêutica Há Uma Esperança: Jesus. Lá, fiquei impactada com o trabalho feito com os moradores de rua. Eles chegam lá completamente "arrebentados". Mas o amor demonstrado por aquelas pessoas, o poder de Deus transforma aquelas vidas por inteiro, a ponto de saírem dali até pastores! O próprio regente do lindo coro de lá, um dia foi um deles (aliás, que coro!)! O Senhor tem feito maravilhas naquele lugar, isso porque um dia alguém se dispôs a ser usado na obra do Senhor, no caso, o pastor Vicente, responsável pelo trabalho, além de todos os que se doam para este ministério. No ano passado, havia um mandado de fechamento para a Comunidade Terapêutica, mas o Senhor fez o impossível e ele foi mudado!
     Não quero dizer aqui que todos tem que fazer em tempo integral a obra social, o quero alertar é que, quando chegar um morador de rua, uma prostituta ou qualquer pessoa em sua igreja, trate-a com amor. O amor de Deus é assim. Ele nos ama mesmo sabendo que somos estes trapos. Assim também devemos amar a qualquer pessoa, sem esperar nada em troca (muitas pessoas realmente não terão nada para nos dar em troca do amor), mesmo sabendo que ainda podemos ser injustiçados, traídos e maltratados pelas pessoas que temos amado! Jesus amou assim, ele morreu por todos, sabendo que muitos continuariam sendo seus inimigos!
     Realmente, não é nada fácil amar sem esperar nada em troca. Os moradores de rua precisam ser amados assim. Os homossexuais precisam ser amados assim. As prostitutas, os divorciados, os viúvos, as crianças que estão nas ruas... Muitos realmente não tem nada a nos oferecer. Porém, o amor de Deus é pedagógico, Ele nos ama primeiro, para nos ensinar a amar. Vamos aprender com ele? Vamos chorar a dor do outro e parar de olhar tanto para os nossos próprios problemas?

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Nas mãos do oleiro


     Você tem estado nas mãos do oleiro? Tem permitido que ele faça a Sua vontade em sua vida? Muitas vezes, permitimos que o Senhor nos molde, mas depois, cuidamos de nossa vida à nossa própria maneira. O que o barro deve fazer? 1º: ser moldado pelo oleiro; 2º: permanecer nas mãos do oleiro!
     Por vezes o que fazemos é chegar para Deus e dizer: "Senhor, eu quero fazer isso, essa faculdade, ter este namorado, ter este trabalho, me abençoa nisso tudo, ok?" Quando Deus está dizendo: "Você me perguntou se é isso o que EU quero? Deixa que eu escolho, será muito melhor!"
     "E desci à casa do oleiro, e eis que ele estava fazendo a sua obra sobre as rodas, Como o vaso, que ele fazia de barro, quebrou-se na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme pareceu bem aos olhos do oleiro fazer. Então veio a mim a palavra do SENHOR dizendo: Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó, casa de Israel? diz o SENHOR. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó, casa de Israel." (Jr 18.3-6)
     Estamos muito preocupados em não ficar parados. Se estamos parados nos sentimos inúteis. Mas, pense! O trabalho do barro é ser moldado pelo oleiro, não é ele mesmo que decide o que fazer ou como fazer. O trabalho do barro é, após ser moldado, "não sair das mãos do oleiro"! Seguir tudo o que ele falar. Ficamos presos em ativismos religiosos, pensando que estamos agradando a Deus. "Olha, estou fazendo tantas coisas para Deus" ou "Poxa, estou fazendo muito pouco para Deus..." Mas o que Deus realmente quer que você faça? Já perguntou a Ele? E se Ele lhe ordenar que você fique parado, simplesmente para ser moldado por Ele e ter um relacionamento de amor profundo com Ele? Antes do ativismo, vem o relacionamento. Você tem falado com Deus? O que você tem falado com Deus? Como você se achega a Deus? Com as mão cheias de planos seus, para que Deus dê apenas o "ok", ou você se tem achegado a Ele para perguntar com toda sinceridade o que Ele quer?
     Você tem escutado a voz de Deus? Se não, você tem dado chances de que Deus fale? Tem tido tempo de qualidade com Ele? Se sim, você identifica com clareza quando é Ele que fala? Você obedece imediatamente ao que Ele fala?
     Vou te dar uma sugestão. No dia de hoje, separe um tempo para andar com Deus. Estive pensando ontem que a Bíblia diz que Enoque "andou com Deus". "E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou" (Gn 5.22-24). Não se sabe muito mais do que isso sobre a vida de Enoque. Entendi que quando se anda com Deus, o resto é acrescentado. Quando se busca o Reino de Deus, não preciso me preocupar com ativismos, pois estou andando com o dono da obra. O que Ele quiser que eu faça Ele vai me falar na hora certa. Ele vai me colocar no lugar que Ele quer, da forma que Ele quiser. Eu só preciso estar sempre nas mãos dEle.
     Pense sobre isso. Ande com Deus hoje, converse com Ele. Achegue-se a Deus de mãos vazias, pronto a ouvir o que Ele quiser falar, pronto para ser consertado por Ele (ninguém melhor do que este oleiro para consertar um vaso de barro como nós).
     Percebemos que amamos a Deus quando preferimos a sua vontade à nossa. Quando sabemos qual é a vontade de Deus e, mesmo que ela seja contrária à nossa, mesmo que cause muita dor, muito sofrimento, "escolhemos" fazer a vontade dEle. Aí nós realmente O amamos. Você ama a Deus? Responda com toda a sinceridade. Aproveite o dia de hoje para ser sincero com Deus. Se você não tem O amado, diga isso a Ele e escolha amá-lO.
     Seja moldado por Deus e permaneça nas mãos dEle.

Tradução:
A MÃO DO OLEIRO
Belo Senhor, maravilhoso Salvador
Eu tenho certeza todos os meus dias estão envoltos em Tuas mãos,
Cravados em Teu perfeito plano
Tu gentilmente me chamaste em Tua presença,
Me guiando pelo Teu Santo Espírito
Me ensina, querido Senhor, a viver toda a minha vida pelos Teus olhos
Estou capturado pelo Teu santo chamado
Me separe, eu sei que Tu estás me chamando para Ti
Me acompanhe, Senhor, eu oro
Toma-me, molda-me, usa-me, enche-me
Eu dou minha vida na mão do Oleiro
Chama-me, guia-me, acompanha-me, anda ao meu lado
Eu dou minha vida na mão do Oleiro
Tu gentilmente me chamaste em Tua presença,
Me guiando pelo Teu Santo Espírito
Me ensina, querido Senhor, a viver toda a minha vida pelos Teus olhos
Estou capturado pelo Teu santo chamado
Me separe, eu sei que Tu estás me chamando para Ti
Me acompanhe, Senhor, eu oro


terça-feira, 10 de julho de 2012

9º Congresso de Mendigos

Olá, pessoal. Quero dar aqui informações sobre o congresso do qual estarei participando este ano. É o 9º Congresso de Mendigos.
É o seguinte, existe em Caçapava - SP, uma fazenda onde se realiza o congresso. O nome é "Comunidade Terapêutica Há Uma Esperança: Jesus Cristo".
Perfil do congresso no Facebook
Perfil do congresso no Orkut
E-mails do Pastor Haroldo Paulino, responsável pelo congresso: pr.hpaulino@hotmail.com e pr.haroldo@ig.com.br
Telefone do pr. Haroldo: (21) 2402-2403
No perfil do Facebook lê-se o seguinte sobre este congresso:
"Um projeto INTERDENOMINACIONAL, visando alcançar os necessitados, excluídos e desprezados, para lhes dar dignidade e tratamento adequado, promovendo sua recuperação e reinclusão social. 

Trabalhamos com Missionários e com voluntários de TODAS AS IGREJAS; e os estamos convocando, para ir à fazenda Sede da "Comunidade Terapêutica Há uma Esperança: Jesus Cristo" em Caçapava - SP, com o objetivo de abençoar Espiritual, material e financeiramente, a Obra Missionária de RESGATE E RESTAURAÇÃO DE VIDAS, que Deus tem colocado nas mãos de pessoas sérias e comprometidas com o Seu Evangelho.

Trata-se de uma MISSÃO DE APOIO LOGÍSTICO, onde cada voluntário estará levando 25 Kg de alimentos; e (SE DESEJAR) outros tipos mais de doações.

Estaremos fazendo como a rainha de Sabá: "OUVIU FALAR... FOI VER PRA CRER... E ABENÇOOU. 1º Reis 10:1,7,10.

Se você tem amor pelas almas; e se importa com o que Deus se importa: "JOÃO 10:16 / LUCAS 14:12-14 / SALMOS 113:7,8 / MATEUS 25:31-46 " e se dispõe a ir conosco, expresse seu desejo em nossa página de recados, ou ligue: (21) 2402 2403 / (21) 9973 3361 e venha fazer parte deste projeto. 
________________________________________________________________
"MISSÕES, SÓ SE FAZ COM PARCERIA". 

Já demos o primeiro passo em sua direção; agora só depende de você; dar o segundo passo, INSCREVENDO-SE, para unirmos nossas forças.

Uma vez parceiros, iremos juntos nessa missão; "DAR SEMENTE AOS QUE SEMEIAM." 2ª aos Corintios 9:10 e então, voltaremos com a alma lavada e a certeza do dever cumprido. 

CONTRIBUIÇÕES:

BRADESCO - AGÊNCIA 1070 - CONTA CORRENTE: 36666-8
________________________________________________________________
O SENHOR te abençoe e te guarde;
O SENHOR faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti;
O SENHOR sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz. Números 6.24-26"
Este é o folheto do Congresso:


As pessoas chegam na comunidade terapêutica cheias de vícios e precisando de tudo. Por isso, levam-se doações para este trabalho. Com a abstinência do álcool e drogas, os participantes descontam nos alimentos (sim, eles comem bastante!), então eles precisam de doações. Em um dia combinado, antes da partida das caravanas, as doações são buscadas e levadas para a "Comunidade Terapêutica Há Uma Esperança: Jesus Cristo".

Do que eles precisam:

-Alimentos (que estejam no prazo de validade): gasta-se muito óleo, arroz, feijão e macarrão, mas tudo o que vier de coração será bem-vindo;

-Material de higiene pessoal: barbeadores, creme dental, escova de dentes, pentes, shampoo, condicionador, sabonetes, toalhas de banho e de rosto, sunga nova, etc;

-Chinelos;

-Cobertores;

-Material de limpeza: desinfetante, sabão em pó, sabão em pedra, papel higiênico,  rodos, vassouras;

-Panelas de restaurante, conchas, escumadeiras, etc.

Quem não puder ir, mas puder doar algo, por favor, entre em contato comigo. Meu e-mail é thaisbastos927@yahoo.com.br.
Fiquem com Deus.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Sem beijo e sexo, jovens optam por nova maneira de namorar em MT


Jovens evangélicos adeptos da 'corte' optam por abdicar do contato físico.
Psicóloga argumenta que sociedade deturpou o sexo e a sensualidade.

Kelly Martins
Do G1 MT


Eles não beijam na boca durante o namoro e defendem o sexo somente após o casamento. O objetivo: conhecer o verdadeiro amor. Este é o estilo de relacionamento que muitos jovens evangélicos têm adotado como princípio para uma vida “emocionalmente saudável”. É o que o universitário Rafael Almeida, de 22 anos, e Heloísa Lugato, de 24 anos, formada em direito, garantem estar vivenciando há mais de um ano.
O casal conta que os dois são adeptos da pureza sexual até o casamento e durante este período de relacionamento não tiveram relação sexual. “Preferi me preservar. Nos abdicamos do contato físico, do toque, para focar nosso relacionamento na amizade e em conhecer um ao outro”, comenta Rafael. Ele destaca também que a escolha ajuda ainda em ter uma vida emocional equilibrada.
Para Heloísa, a união do casal está respaldada na santidade e em princípios que estão descritos na bíblia. Ela argumenta que o contato físico pode contribuir para que o namoro saia do foco e, por conta disso, o máximo que fazem é pegar na mão e abraçar. “Sabemos que o beijo não é pecado, até porque a bíblia não se refere a isso. Porém, o sexo é, por isso evitamos. Mas não se trata de uma regra. Somos livres para optar e escolher”, pontua.A jovem disse que já teve outros relacionamentos fora da igreja e que as experiências só reforçam o estilo adotado no namoro atual. “Somos guardados do prejuízo que é ter um coração machucado e ferido”.

Corte
O casal já marcou a data do casamento para o mês de março de 2013. E para chegar até lá, Rafael e Heloísa contam que o namoro dos moldes atuais foi trocado para a modalidade “corte”, no sentido de resgatar valores que se perderam.Mas para Rafael, isso não é uma tarefa fácil. Ele ressalta que o preconceito da sociedade é grande e que a castidade ainda é um assunto polêmico. Cursando engenharia civil, o universitário disse que já foi até chamado de louco por colegas. “A postura vai contra as regras ditadas pela sociedade. É difícil para muitos aceitarem que alguém em pleno século 21 pense assim. No entanto, quando se tem convicção, seguimos em frente”, avalia.

Veredas antigas
O pastor Heitor Henrique Laranjo, de 27 anos, explica que a área sentimental é a que mais aflige o solteiro. Responsável por trabalhos desenvolvidos com jovens e adolescentes na Igreja Videira, em Cuiabá, o pastor avalia que muitos jovens estão tendo diversos relacionamentos e que chegam a um ponto de frustração emocional muito cedo.
Ou então, segundo Heitor, chegam ao casamento e não conseguem sustentá-lo por falta de amadurecimento. Além disso, percebem que se casaram com a pessoa errada. “Por isso a corte é diferente do namoro, pois preserva o conhecimento entre o casal. Não é respaldado em beijo ou sexo. Voltamos ao tempo em que nossos pais e avós namoravam na sala com a presença da família toda”, reforça.
O molde de relacionamento tem ganhado cada vez mais adeptos nas igrejas evangélicas do país. O movimento “Eu Escolhi Esperar”, por exemplo, que prega a virgindade até o matrimônio tem sido disseminado cada vez mais nas redes sociais e já ganhou millhares de seguidores no Facebook e Twitter.
A adesão à corte, conforme o pastor Heitor Henrique, é feito por casais, preferencialmente a partir de18 anos e que têm o objetivo de casamento. “É muito maior que um movimento de pró-sexualidade. É o resgate das veredas antigas”, observa.

Precoce
A doutora em psicologia comunitária Maria Auxiliadora de Oliveira avalia que a sociedade contemporânea deturpou o sexo ao explorar a sensualidade. Segundo ela, está cada vez intenso o desenvolvimento precoce da sexualidade, o que tem aumentado os casos de gravidez na adolescência.
“A questão afetiva e familiar hoje está banalizada. São muitos jovens e adolescentes começando uma vida sentimental sem estrutura. Sabemos que cada coisa tem o seu tempo e priorizar isso ajuda a minimizar os problemas que afetam a juventude”, frisou Maria Auxiliadora.

Frutos
Os frutos de um relacionamento preservado na pureza sexual, são o que o casal Sandro Cruz, de 28 anos, e Maria Aparecida de Assis da Cruz, de 29, garantem estar colhendo. Com apenas três de meses de namoro, eles se casaram e optaram pela castidade até subir ao altar.
Para Sandro foi a melhor opção que fez, após ter namoros fora dos padrões da igreja que geraram problemas sentimentais. “Começamos a nos conhecer e o sentimento foi aumentando. Percebi que já poderia me casar e fiz tudo dentro que acreditei estar correto. Hoje percebo que valeu à pena porque tenho um casamento recheado de respeito, confiança e carinho”, revela.
Maria Aparecida, que tem uma filha de sete anos, disse que não teve dúvidas em se preservar. Ela disse que foi difícil a caminhada, mas a vontade de encontrar o verdadeiro amor falou mais alto. “A questão é dar valor às coisas que se perdem no decorrer da relação. Nossa prioridade foi a amizade e a base do evangelho. Hoje vejo o quanto essa escolha fez a diferença em minha vida”.



Fonte: http://g1.globo.com

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Gay estuprador de crianças e bebês pega só 18 anos de cadeia

Julio Severo


Um homossexual na Holanda que confessou ter abusado de 83 crianças e bebês foi sentenciado a 18 anos de prisão e internação forçada numa instituição psiquiátrica.Robert Mikelsons foi sentenciado na segunda-feira (21 de maio) por um tribunal de Amsterdã por ter abusado sexualmente das crianças, algumas das quais tinham apenas alguns meses de vida, informou a Rádio Holanda Mundial.Mikelsons, que tem 29 anos, se mudou para a Holanda em 2004 e “casou” com seu parceiro homossexual, um cidadão holandês. Em 2008, ele recebeu sua própria cidadania holandesa como resultado.Ele trabalhou pelo menos em duas creches holandesas de 2007 a 2010, e ofereceu seus serviços particulares pela internet, afirmando que ele era uma babá “com treinamento e experiência”.


Robert Mikelsons na creche com crianças

Mikelsons abusou sexualmente das crianças enquanto trabalhava numa creche de Amsterdã. Depois de ser preso em 2010, ele confessou que abusou sexualmente de 83 crianças e bebês na creche e que tirou fotos e fez filmagens dos abusos, para uso em pornografia infantil. Esse material seria distribuído internacionalmente por meio de redes pedófilas na internet.


Apesar da gravidade do crime, com os consequentes danos psicológicos, físicos e emocionais para as crianças abusadas, o tribunal sentenciou Mikelsons a apenas 18 anos de prisão e internação forçada numa instituição psiquiátrica.O “cônjuge” de Mikelsons, Richard van Olffen, foi sentenciado a apenas seis anos de prisão por cumplicidade nos abusos. O tribunal deu como decisão que Olffen sabia do que Olffen estava fazendo e desempenhou um papel “facilitador”. Pouco antes de ser presa, a dupla gay estava para adotar um menino.


A imprensa brasileira noticiou o crime da dupla gay omitindo o sobrenome deles, a fim de preservar sua privacidade. A imprensa brasileira também omitiu o fato de que eles eram homossexuais e “casados”.


As penas, que não são pesadas, refletem o desleixo moral e social da Holanda, que suaviza cada vez mais os castigos, em prol de iniciativas reabilitadoras. Enquanto isso, um só criminoso consegue infligir enorme estrago, abusando de dezenas de crianças pequenas, sem nenhuma punição à altura.A Holanda foi um dos primeiros países do mundo a legalizar o “casamento” gay, mas seu pioneirismo só ficou mesmo evidente quando se tornou o primeiro país do mundo a ter um partido político oficialmente engajado na luta para legalizar a pedofilia. Seu fundador, o homossexual Ad van den Berg, foi condenado em 1987 por abusar sexualmente de um menino de 11 anos, mas ele afirmou que o relacionamento foi “consensual”.Em outubro de 2011, Van den Berg, então com 67 anos, foi condenado a apenas três anos de prisão por ter em seu computador milhares de filmes e 130.000 fotografias de pornografia infantil, entre as quais estavam 13.000 em que o próprio Van den Berg aparecia com destaque.


O partido pedófilo, chamado oficialmente de Partido do Amor Fraternal, Liberdade e Diversidade, foi fundado em 2006 por Van den Berg.Com penas de prisão leves e uma sociedade com mentalidade reabilitadora para casos sem solução humana, fica fácil os cidadãos holandeses se sentirem incentivados a fundar partidos criminosos e cometer crimes sexuais hediondos.


O que facilita a entrada de homossexuais em creches é a estipulação feminista de que se as mulheres devem ocupar 50% de todos os cargos tradicionalmente masculinos, inclusive soldados, então os homens devem ocupar 50% de todos os cargos tradicionalmente femininos, inclusive creches — oportunidade aproveitada por homens que “amam crianças”.Recordo que anos atrás, numa grande igreja evangélica de Brasília, havia uma placa na seção onde ficavam as crianças pequenas: “Proibida a entrada de homens”. Só as mulheres podiam ficar ali cuidando das crianças.Com o feminismo, as cuidadores de crianças estão no exército fazendo o trabalho de homens, e os homens predadores estão com as crianças.


Com informações de LifeSiteNews e UPI.
Fonte: www.juliosevero.com